Frente Parlamentar pela Defesa e Promoção da Igualdade Racial será lançada na Câmara

Na próxima segunda-feira (14 de maio), será lançada na Câmara Legislativa a Frente Parlamentar pela Defesa e Promoção da Igualdade Racial. O evento é de iniciativa do deputado Professor Israel, com outros parlamentares, e está marcado para às 19h, no plenário da CLDF, e os presentes debaterão o tema Crimes de ou injúria racial? Uma reflexão sobre a aplicação das leis.

A audiência reunirá profissionais da área de Direito, entidades do movimento negro e organizações sociais de combate ao racismo, com o intuito de fazer uma análise crítica e propositiva sobre a legislação vigente, bem como a sua aplicabilidade.

Na oportunidade também será abordado o fato ocorrido no dia 28 de abril, no qual um médico agrediu verbalmente, de forma discriminatória e racista, a atendente de um cinema de Brasília Marina Serafim dos Reis, que, na ocasião, receberá uma moção de solidariedade assinada pelas autoridades presentes.

Deputado Professor Israel lança a Frente pela Defesa da Igualdade Racial

Foi lançada ontem à noite, na Câmara Legislativa, a Frente Parlamentar pela Defesa e Promoção da Igualdade Racial. De iniciativa do deputado Professor Israel, o evento contou com a participação de parlamentares, profissionais da área de direito, entidades do movimento negro e representantes do GDF e do governo federal. Na pauta, formas de combater o racismo e como fazer uma análise crítica e propositiva sobre a legislação vigente, bem como a sua aplicabilidade.

Para o deputado, o Brasil ainda convive com um racismo velado, por isso, covarde. “A criação desta frente vem justamente para combater esse mal. Pretendemos tornar o sonho da igualdade algo possível”, afirmou.

Um dos objetivos do grupo é fiscalizar o cumprimento da lei 10.639, sancionada em janeiro de 2003, tornando obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira nas instituições de ensino fundamental e médio da rede pública e particular. A primeira ação será encaminhar requerimento à Secretaria de Educação para saber em quais escolas essa disciplina já foi implementada.

Israel acredita que é preciso combater o principal motor do racismo: a ignorância. “Alguns mitos estão arraigados na nossa cultura, como o de que negritude é sinônimo de escravidão. E, para desmistificar isso, temos que investir em educação. É na escola, com professores bem preparados, que a África será entendida a partir de outro ponto de vista”, acredita.

Esteve presente na sessão Maria Serafim dos Reis, atendente de um cinema da cidade que foi agredida verbalmente por um médico. Ela recebeu, na ocasião, uma moção de solidariedade da Casa e afirmou estar feliz por não se sentir sozinha na causa contra o racismo. “É muito bom saber que tem muita gente interessada em lutar por justiça”, comentou.

Participaram da mesa a secretária de Promoção da Igualdade Racial do DF, Josefina Serra dos Santos; a coordenadora do Movimento Negro Unificado, Jacira da Silva; o vice-presidente da Fundação Cultural Palmares, Martius das Chagas; o delegado da 5º Delegacia de Polícia, Ailton Rodrigues (um dos responsáveis pelo caso da Marina); além de advogados e parlamentares.

Discurso na audiência pública sobre a promoção da igualdade racial

Lançamento da Frente Parlamentar pela Defesa e Promoção da Igualdade Racial. De iniciativa do deputado Professor Israel Batista (PDT-DF), o evento contou com a participação de parlamentares, profissionais da área de direito, entidades do movimento negro e representantes do GDF e do governo federal. Na pauta, formas de combater o racismo e como fazer uma análise crítica e propositiva sobre a legislação vigente, bem como a sua aplicabilidade. Para o deputado, o Brasil ainda convive com um racismo velado, por isso, covarde. “A criação desta frente vem justamente para combater esse mal. Pretendemos tornar o sonho da igualdade algo possível”,

Deputado Professor Israel participa da Bienal do Livro e da Leitura

A presença do negro na literatura brasileira será um dos temas debatidos na 1ª Bienal Brasil do Livro da Leitura. O evento acontece nesta terça-feira (17), às 20h, e contará com a participação dos autoras Nei Lopes () e Conceição Evaristo (Ponciá Vicência), ambas de Minas Gerais. O debate será mediado pelo deputado Professor Israel.

Ex-palestrante oficial do Conselho de Defesa dos Direitos dos Negros, Israel acredita que “tratar de racismo é fundamental em um País que não admite esse defeito, mas mantém alijados dos ganhos sócio-econômicos milhares de negros e pardos desde a escravidão”, considerou.

Pela primeira vez, Brasília recebe um evento desse porte. O público, estimado em mais de meio milhão de pessoas, poderá acompanhar até o dia 23 de abril palestras e lançamentos de livros de renomados escritores de países da América Latina e da África. Além disso, músicos, jornalistas e atores participarão da Bienal, que contará ainda com a realização de seminários, peças teatrais, palestras e oficinas.

Confira a programação completa: http://www.bienalbrasildolivro.com.br/