Atletas do DF que participaram dos Jogos Mundiais das Escolas Católicas recebem homenagem

Fonte: Facebook Federação Regional do Desporto Escolar do DF - FRDEDF

Fonte: Facebook Federação Regional do Desporto Escolar do DF – FRDEDF

Os atletas brasilienses campeões nos Jogos Mundiais das Escolas Católicas serão homenageados em sessão solene na Câmara Legislativa do DF nesta quarta-feira (13), às 10h, no plenário da Casa. Cerca de 30 estudantes de três colégios da cidade, além da comissão técnica, receberão moção de louvor pelo feito conquistado na Áustria, país que sediou o evento em julho deste ano. A iniciativa é do deputado Professor Israel (PV-DF).

Os Jogos Mundiais ocorrem há mais de 75 anos na Europa e, desta vez, houve representantes de mais de 10 países competindo em diferentes modalidades: atletismo, basquete, xadrez, futebol, futsal, natação, tênis e vôlei. A delegação brasileira contou com atletas de Minas Gerais, Paraíba, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Da capital federal, a Escola Franciscana Nossa Senhora de Fátima foi a que mais enviou atletas e 25 deles conquistaram medalhas no vôlei feminino, futsal masculino e natação masculino. O Marista de Brasília e o Centro Educacional Sagrada Família foram representados cada qual por um estudante, na categoria natação masculino.

Vitórias e recordes

Os estudantes de Brasília obtiveram destaque nas modalidades disputadas, mas a grande surpresa foi o estudante Leandro Bressan, do Sagrada Família, que voltou com cinco medalhas e dois recordes na natação – 50 e 100 metros de nado peito.

A iniciativa do deputado Professor Israel, através dessa homenagem da CLDF, é destacar e dar visibilidade às ações que incentivem a prática de esportes nas escolas e promovam atletas do DF.

Fonte: GabiNET – TR

“Dívida do PDAF com as escolas públicas precisa ser sanada”

Crédito da imagem: Márcio H Mota

Crédito da imagem: Márcio H Mota

O deputado Professor Israel aproveitou o primeiro dia letivo do ano para discursar sobre os problemas que as escolas da rede pública de ensino estão enfrentando em razão da falta de repasse de verbas do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (PDAF). O parlamentar chamou atenção dos pares para a situação que envolve cerca de 50% das instituições do DF. “As escolas estão endividadas e é preciso encontrar uma solução, caso contrário, o programa será uma armadilha”, alertou.

A dívida das instituições foi contraída em 2013. Com base em portaria publicada no Diário Oficial do DF informando os valores destinados às escolas, diretores utilizaram a verba, mas acabaram não recebendo o repasse. Descobriu-se então que o montante divulgado ultrapassava o limite do que havia sido aprovado em lei.

Diante do impasse, escolas como o Centro de Ensino Médio 02 do Gama acumulam uma dívida de R$ 202 mil. Para o vice-diretor da instituição, Júlio César, são necessárias medidas definitivas para esse problema que é sempre resolvido de maneira política, com remanejamento de recursos, por exemplo. “Isso significa valorizar a educação”, finalizou.

O programa foi criado com o objetivo de descentralizar o recurso e dar autonomia gerencial para que as escolas possam realizar seus projetos pedagógicos, administrativos e financeiros.

Acesse o ofício e veja, também, o vídeo do discurso:

GabiNET – AB

Bolsa para estudantes carentes da rede pública de ensino do DF

Crédito da imagem: http://migre.me/fDBa6

A juventude do Distrito Federal já pode comemorar uma importante vitória: a sanção da Política Distrital de Atenção ao Jovem. O documento, que foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal, contempla diversas demandas, entre elas, uma apresentada pelo deputado Professor Israel ainda em 2011, quando assumiu o mandato: a concessão de bolsa para estudantes carentes da rede pública dos ensinos fundamental e médio com o objetivo de combater a evasão escolar.

O parlamentar foi à luta e conseguiu sensibilizar o governo quanto à importância da medida. Em resposta, o Executivo vai criar o Programa Renda Jovem de Cidadania, com bolsa mensal de R$ 300 para alunos carentes da rede pública. Desse valor, R$ 200 serão pagos diretamente ao beneficiário e os outros R$ 100, depositados em poupança, podendo ser retirados apenas mediante confirmação de aprovação na série cursada no ano anterior.

Para Israel, o programa permitirá que os alunos possam dar continuidade aos estudos e ainda investir o valor da poupança em preparatórios para o vestibular ou cursos profissionalizantes. A transferência de renda, lembra ele, é importante no processo educacional. “Assegurar o mínimo de igualdade entre os nossos alunos diminui as desvantagens na hora de alcançar o sucesso”, avaliou.

Universidade Aberta do DF

Outra proposta já publicada no Diário Oficial do DF e que está prestes a se tornar realidade é a Fundação Universidade Aberta do DF. Uma das bandeiras de campanha do deputado Professor Israel, a criação da instituição é fruto de demanda antiga ao governo. “Éramos uma das poucas unidades da federação sem uma universidade própria. A juventude merece esse espaço”, considera ele, afirmando que vai acompanhar de perto a implementação das ações.

GabiNET – AB

Criação de programa de monitoria remunerada para rede pública do DF – Ind 11761/13

O deputado professor Israel sugere ao Poder Executivo, por meio da Indicação nº 11761/2013, por intermédio da Secretaria de Estado de Educação, a criação de programa de monitoria remunerada para a rede pública de ensino do Distrito Federal como política de incentivo à formação de futuros professores para a rede pública, de geração de renda e de combate à evasão escolar na rede oficial de ensino do Distrito Federal

Aprovado projeto de lei que prevê conteúdos mínimos para a escola pública

Crédito da imagem: http://migre.me/cFiz3

Foi aprovado no mês de dezembro, em segundo turno, o projeto de lei que prevê a fixação de conteúdos mínimos para o ensino fundamental e médio no DF, de maneira a assegurar formação básica e comum a todos os estudantes. O texto é de autoria do deputado Professor Israel, que defende pré-requisitos necessários oferecidos pelo Estado para que jovens, de instituições públicas ou privadas, possam disputar o mesmo espaço, independentemente da classe social. “A escola deve ser o lugar onde todos os alunos tenham as mesmas oportunidades”, justificou o parlamentar.

De acordo com dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2011 – instrumento criado pelo governo federal para medir a qualidade do ensino no País – nas séries iniciais, a nota média registrada pela rede privada do DF foi de 6,5, quase dois pontos superior a nota obtida pela rede pública. Com relação ao Exame Nacional do Ensino Médio, a média das escolas públicas ficou em 474,2 contra 589,2 dos colégios particulares.

Os índices reforçam a necessidade de uma revolução no ensino. Embora, nos últimos anos, tenha sido registrado um avanço no acesso de crianças e adolescentes às escolas da rede pública, muitos ainda não conseguem notas suficientes para ingressar nas universidades, por exemplo. E, quando entra na faculdade, um bom número de estudantes não tem base suficiente para acompanhar o conteúdo dado em sala de aula.

Para Israel, “a criança que nasce em uma família pobre não pode estar fadada ao fracasso. Não queremos uma escola que perpetue essa desigualdade.”, considerou. O texto segue agora para sanção do governador.

GabiNET – AB

PL nº 813/2012 – Escola mais perto de casa

A batalha de estudantes por vagas em uma escola da rede pública de ensino próxima de casa pode chegar ao fim. O projeto de lei 813/2012 garante, ao aluno da educação básica do DF, vaga na escola pública mais próxima à sua residência. O objetivo é diminuir a evasão escolar e os custos tanto da família quanto do governo.

Melhoria na Infraestrutura do Centro de Educacional do Lago Norte – Ind 5868/12

O deputado professor Israel, por meio da Indicação nº 5868/2012, sugere ao Poder Executivo, por intermédio da Secretaria de Educação, melhoria na infraestrutura da escola como a reforma das janelas e paredes das salas de aula do Centro Educacional do Lago Norte (CEPLAN), localizado na QI 04/06 – Área Especial Lago Norte.

PL nº 526/2011 – Poupança Escola

Igualdade de condições de acesso e permanência na escola para alunos carentes da rede pública de ensino do Distrito Federal. É o que prevê projeto de lei 526/2011 que institui o Programa “Poupança Escola” – uma herança do governo Cristovam Buarque (1995-1998). A proposta é ofertar renda extra anual aos estudantes beneficiários do Bolsa Família durante o período em que cursarem os ensinos fundamental e médio.

Educação é bandeira do mandato

A educação é uma das principais bandeiras do mandato do deputado Professor Israel. Como seguidor de Leonel Brizola, Darcy Ribeiro e Cristovam Buarque, o parlamentar entende que só por meio de uma educação de qualidade é que o Brasil irá alcançar o tão sonhado desenvolvimento. Neste sentido, Israel tem apresentado diversos projetos para a área, tais como:

– Lutou e votou a favor do PL que aumentou o salário dos professores em mais de 13% em 2011, o mesmo percentual de reajuste do Fundo Constitucional do DF;

– Apresentou emenda à Lei de Diretrizes Orçamentárias para o ano de 2012, possibilitando ao GDF a contratação de mais de 1.100professores em 2012;

– O Projeto de Lei n.º 776/2012, obriga a publicação, pela Secretaria de Educação, do motivo legal de nomeação do professor concursado, e em lugar de quem ele está entrando;

– O PL 446/2011, foi apresentado e obriga a Secretaria de Educação a nomear o professor concursado no prazo de 15 dias a partir da aposentadoria de outro professor também concursado;

– Também foi protocolado requerimento de informações, pedindo que a Secretaria de Educação publique um cronograma de nomeações dos professores concursados que aguardam nomeação;

– Foi solicitado informações à Secretaria de Planejamento sobre a forma de cálculo dos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal para a concessão de aumentos para pessoa;

– Israel Batista também apresentou Projeto de Lei (263/11) que determina a padronização de todas as escolas públicas do DF. As unidades devem ter biblioteca, quadra poliesportiva coberta, auditório e laboratório de informática com acesso à internet.

– Igualdade de condições de acesso e permanência na escola para alunos carentes da rede pública de ensino do Distrito Federal. É o que prevê Projeto de Lei 526/2011 que institui o Programa “Poupança Escola” – uma herança do governo Cristovam Buarque (1995-1998). A proposta é ofertar renda extra anual aos estudantes beneficiários do Bolsa Família durante o período em que cursarem os ensinos fundamental e médio.

– A intenção do PL 919/2012 é que o governo ofereça aos estudantes da rede pública de ensino, a cada bimestre letivo, duas obras com conteúdos literários, artísticos ou científicos. O objetivo é elevar o nível educacional e cultural dos alunos.

– O projeto de lei 918/2012 visa efetivar o direito constitucional à educação básica e garantir a universalização do atendimento escolar. Além disso, o PL obriga a secretária de Educação a recensear, as crianças e adolescentes em idade escolar, bem como os jovens e adultos que não concluíram a educação básica.

– Como forma de valorizar o patrimônio cultural, o PL 917/2012 prevê que os alunos da educação básica tenham no currículo escolar aulas de música, artes cênicas, artes visuais e audiovisuais, além de patrimônio artístico, arquitetônico e cultural.

 

Fonte: GabiNET Prof.Israel

Deputado Professor Israel quer a volta do Poupança Escola

Igualdade de condições de acesso e permanência na escola para alunos carentes da rede pública de ensino do Distrito Federal. É o que prevê projeto de lei do deputado Professor Israel, aprovado na Comissão de Educação da CLDF e que institui o Programa “Poupança Escola” – uma herança do governo Cristovam Buarque (1995-1998). A proposta é ofertar renda extra anual aos estudantes beneficiários do Bolsa Família durante o período em que cursarem os ensinos fundamental e médio.

De acordo com o deputado, muitos jovens não concluem o ensino médio por ingressarem precocemente no mercado de trabalho. “Combateremos a evasão escolar com o programa. Eles poderão dar continuidade aos estudos e ainda investir o valor da poupança em preparatórios para o vestibular ou cursos profissionalizantes”, justifica. A transferência de renda, lembra ele, é importante no processo educacional. “Assegurar o mínimo de igualdade entre os nossos alunos diminui as desvantagens na hora de alcançar o sucesso”.

O projeto prevê que o governo faça o depósito de uma quantia, ainda a ser definida, na conta de cada estudante. O recebimento do crédito estará condicionado à freqüência mínima de 90% das aulas, aprovação do aluno e a efetivação da matrícula na série subseqüente. O projeto segue agora para ser analisado na Comissão de Economia, Orçamento e Finanças.