tamanho da fonte:
imprimir

Professor Israel quer cálculo diferenciado do Pdaf para CIL

Crédito da Imagem: Anna Cléa Maduro

O Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf), destinado às escolas públicas do Distrito Federal para compra de materiais e manutenção de infraestrutura, foi debatido em audiência pública na manhã desta quarta-feira (10), na Escola de Aperfeiçoamento de Profissionais de Educação (Eape). O repasse do recurso varia de acordo com o número de estudantes nas unidades. No entanto, para as escolas que não compõem o ensino regular, como os Centros Interescolares de Línguas e a Escola de Música, o cálculo é diferenciado e muito aquém do necessário. Por essa razão, Professor Israel (PV) quer uma mudança no repasse do Pdaf. “Essas instituições são muito importantes para a formação dos nossos jovens e merecem ser melhor contempladas”, afirmou.

Um dos problemas relatados durante a audiência pelos diretores, professores, coordenadores e gestores foi em relação à irregularidade do repasse do programa, que desde 2012 apresenta problemas. Segundo Israel, essa complicação é uma ameaça à gestão democrática. “Os diretores são eleitos pela comunidade e a crise com o Pdaf está desmoralizando a gestão. Isso porque a comunidade escolar, o aluno e até o professor não entendem que o diretor está passando por um grave transtorno e que a questão não tem nada a ver com competência”, refletiu.

Representante dos diretores das escolas da rede pública, José Gadelha pediu a aprovação da Lei de Responsabilidade da Educação. “A gestão democrática é muito bonita, mas não pode ser jogada no colo apenas dos diretores, todos os gestores públicos, nas mais variadas esferas, precisam ser responsabilizados”, desabafou.

Perspectiva – O subsecretário de Planejamento, Acompanhamento e Avaliação Educacional da Secretaria de Educação, Fábio Pereira, apresentou um histórico dos valores utilizados pelo Pdaf desde 2008 e informou que, para 2015, estão aprovados R$ 60 milhões, sendo que já foram repassados até agora R$ 30 milhões. “É intenção da Secretaria de Educação viabilizar, junto às Secretarias da Casa Civil, de Fazenda e de Planejamento, a liberação dos 30,6 milhões restantes até o fechamento do primeiro semestre letivo”, afirmou.

Também participaram da audiência os deputados Reginaldo Veras (PDT) e Chico Leite (PT); o subsecretário de Administração Geral, Antônio José Rodrigues Neto; a gerente de Descentralização de Recursos Financeiros da Secretaria de Educação, Elizete de Oliveira, e o professor Jairo Mendonça, representando o Sinpro-DF.

G2biNet – AC

Deixe seu comentário



(não será publicado)