tamanho da fonte:
imprimir

Professor Israel defende manutenção de metodologia da Escs

Crédito da Imagem: Márcio H. Mota

A Escola de Ciências da Saúde (Escs) tem o quarto melhor curso de medicina do Brasil, segundo o MEC. Professores e estudantes afirmam que isso se deve à metodologia de ensino que une teoria e prática. No entanto, este diferencial que torna a instituição do Distrito Federal tão boa nas avaliações pode acabar por uma recomendação do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT).

Para debater esta situação e buscar meios de impedir que tal método seja instinto, o deputado Professor Israel realizou no último dia 26, Audiência Pública, que reuniu docentes e alunos de medicina e enfermagem, no auditório da Câmara Legislativa. “A Escs tem um modelo que é um anseio dos cursos da área de saúde de todo Brasil. Unir teoria e prática com certeza forma profissionais melhores”, explicou o parlamentar.

A diretora da instituição, professora Dilma Teodoro contou que membros de faculdades de saúde de outros estados já estiveram na Escs para conhecer a metodologia. “Para conseguirmos manter nossa forma de ensinar contamos com esta Casa (CLDF) para a solução do ponto de vista de jurídico, já que está claro para todos que conhecem a Escs que o método funciona”, argumentou.

Para a professora Gislene Capitani, esta ameaça do Ministério Público, que quer desvincular os profissionais de saúde do SUS da escola, pode ser vista como uma oportunidade de acabar com a polêmica que existe há 15 anos. “Vamos sanar os problemas de interpretação da lei de criação da Escs e resolver definitivamente este impasse. Os profissionais da saúde podem continuar nas duas frentes: na sala de aula e nos postos e hospitais”, esclareceu.

Os presidentes dos Centros Acadêmicos de Medicina e de Enfermagem, Yuri Zago e Danielly Teles, afirmaram que ter a possibilidade de estar ao lado dos docentes na solução de casos na rede pública de saúde está contribuindo para que a formação não seja apenas técnica, mas também humana. “A integração ensino-comunidade nos tornará excelentes profissionais. Não queremos perder esta metodologia que dá tão certo”, afirmou o aluno.

Danielly apresentou um vídeo com médicos e enfermeiros formados pela Escs e que estão trabalhando no SUS. “Esses profissionais estão devolvendo para a sociedade o que foi investido neles”, pontuou a estudante.

Frente Parlamentar – Neste mesmo dia foi realizado pela manhã o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Universidade Pública do DF. O professor Mourad Ibrahim Belaciano, diretor da Fundação Universidade Aberta do DF e ex-diretor da Escs, apresentou o projeto da universidade, que vem sendo chamada de Universidade Candanga. “O modelo que deverá ser seguido é o da Escs, focado na formação transdisciplinar e na interação com a comunidade”, explicou.

Membro da Frente Parlamentar, Professor Israel disse que o DF servirá de modelo para outras escolas de saúde. “Brasília foi concebida para ser vanguarda e temos todas as condições de darmos exemplo ao país de como organizar uma universidade realmente voltada para os anseios da sociedade”, falou.

Veja as fotos da Audiência Pública clicando aqui.

G@biNet – AC

Deixe seu comentário



(não será publicado)