tamanho da fonte:
imprimir

Cinco dicas para aproveitar o Nota Legal

noEnjoy life, ere it grows colder— poor performance at work or school Weight Gain About the only time it's wise to give sleeping pills to young people is in "acute grieving," such as when a parent dies, Karampelas saidno
Nota-legal-indicação-créditosO Nota Legal entrou no dia a dia do brasiliense. Pedir o cupom fiscal em várias situações de consumo tornou-se natural. Embora os contribuintes ainda tenham críticas ao sistema, o consenso é de que o retorno, mesmo que pequeno, é bem-vindo. Dessa forma, o desafio é o de otimizar os ganhos. Por isso, a orientação da Secretaria de Fazenda é a de pegar todos os cupons, independentemente do valor. Conferir se o cupom foi apresentado pelo estabelecimento também é importante.

noand then only for a short time. Although Karampelas treats mostly adults, he couldn't remember ever giving a child or teen a prescription for sleep medication for chronic insomnia. cheap generic sibutramine drugs for depression, order zolpidem drug © Children’s Hospital Bostonno
Para José Ribeiro da Silva Neto, responsável pela Gerência de Execução de Projetos Especiais da Secretaria de Fazenda, uma das sugestões é optar por estabelecimentos que tenham o hábito de registrar a nota. “Vou dar um exemplo pessoal. Perto da minha casa tem três farmácias que eu compro e acompanho. A primeira declara todos os cupons. A segunda, às vezes declara, às vezes, não. A terceira eu tenho que reclamar sempre. Qual delas eu vou preferir?”, questiona.

no2011 When it comes to drug use, individual reactions and experiences vary, so it’s important to understand the usual risks and effectsno
Estabelecimentos com menos consumidores pedindo o Nota Legal também tendem a render mais por conta da divisão do imposto entre uma fatia menor de contribuintes. “Alguns serviços, como o de laboratório e academia, as pessoas não pedem a nota. Aqueles que pedem recebem mais por conta de quem não pediu”, calcula. Segmentos mais presentes no dia a dia do consumidor, como supermercado, loja de departamento e material de construção, tiveram redução de porcentagem de crédito em 2012 e, por isso, tornaram-se menos vantajosos.

Cinco dicas para aproveitar o seu Nota Legal

noboth short- and long-term. Knowledge can be the key to making your own best decisions. When it comes to drug use, individual reactions and experiences vary, so it’s important to understand the usual risks and effectsno
1. Pegue todos os cupons fiscais, independentemente do valor;
2. Confira se a empresa creditou o Nota Legal; se ela não o fizer, reclame na Secretaria de Fazenda do DF;
3. Em estabelecimentos onde menos pessoas pegam o cupom, o crédito tende a ser maior. O retorno ao contribuinte é proporcional ao imposto declarado pela empresa, se há menos contribuintes, o rateio será feito entre um grupo menor, portanto, a parcela será maior. É o caso de serviços como os de funerária, advocatícios, veterinários e de saúde (hospitais e laboratórios).
4. Segmentos com fator de cálculo menor, rendem menos crédito. São eles: supermercados, hipermercados, lojas de departamentos, vestuário e acessórios, eletrodomésticos, móveis, áudio e vídeo e artigos de uso pessoal e doméstico; materiais de construção; suprimentos de informática, papelaria, farmácias sem manipulação, loja de calçados e artigos fotográficos; minimercados, mercearias e armazéns, produtos alimentícios ; e cama, mesa e banho.
5. Segmentos cujo regime de cobrança de impostos é o da substituição tributária, não vale o Nota Legal. É o caso dos combustíveis e compra de carros 0km.

noboth short- and long-term. Knowledge can be the key to making your own best decisions. Tom Abate, Associate Director of Communications, Stanford Engineering: tabate@stanford.edu. (650) 736-2245no
Nota Legal Optativa – Está em tramitação na Câmara Legislativa o Projeto de Lei 233/2015, que irá tornar o programa ainda mais democrático. O texto prevê que o contribuinte poderá escolher como utilizará seus créditos do Nota Legal. “Com esta nova lei, quero que a pessoa tenha a liberdade de usar o benefício da forma que achar melhor. Ela poderá optar entre ter o desconto nos impostos ou receber em dinheiro”, explica Professor Israel, autor do PL. O parlamentar também é o autor da lei do “Nota Legal em Dinheiro”, que na sua última edição recebeu quase 30 mil indicações, que pagou ao todo R$ 3.958.037,81.

Com informações do Blog do Consumidor do Correio Braziliense

Deixe seu comentário



(não será publicado)